ALDIR BLANC MORRE AS 73 ANOS NO RIO DE JANEIRO

Morreu nesta segunda-feira (04), aos 73 anos, o compositor e escritor brasileiro, Aldir Blanc, por complicações causadas pela Covid-19, depois de ficar mais de duas semanas na UTI do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe). A morte foi confirmada pela assessoria de Blanc. Ele havia sido hospitalizado em 10 de abril, com um quadro de pneumonia, pressão alta e infecção urinária. Uma semana depois, foi confirmada a infecção pelo novo coronavírus.

Nos anos 1960, Aldir dividia seu tempo entre a música e a medicina, curso em que se formaria com especialidade em psiquiatria. Foi nesta década que ele participou de diversos festivais da canção, compondo músicas interpretadas por Clara Nunes, Taiguara e Maria Creuza.

No início dos anos 70, abandonou a medicina para se dedicar exclusivamente às artes. E foi nesta década que ele compôs o seu maior sucesso. Com a parceria de João Bosco e na voz de Elis Regina, o mundo conheceu “O bêbado e o equilibrista”.

Em 1978, publicou as crônicas “Rua dos Artistas e Arredores”, em 1981 “Porta de Tinturaria”. As duas obras foram reunidas, posteriormente, em 2006 na edição “Rua dos Artistas e Transversais”, que ainda trouxe 14 crônicas escritas para a revista “Bundas” e para o “Jornal do Brasil”.

Fonte: Agência Brasil 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *