Crônicas do cotidiano: Morar num veleiro

Com a pandemia, o mercado náutico, em especial, os veleiros, estão cada vez mais
sendo vendidos para pessoas que, antes, nada conheciam sobre barcos. A justificativa
de tanta demanda, é, em primeiro lugar, devido à pandemia do Covid-19, que se instalou
em toda os países e, segundo, porque as pessoas estão descobrindo que morar num
veleiro é muito mais econômico e prazeroso do que morar numa casa ou apartamento.
Fora que a vista é fantástica.

Com isso, os preços dos veleiros usados, que antes, os vendedores quase imploravam
por um comprador, agora duplicaram. A demanda por barcos usados é tanta, que muitos
destes barcos estavam largados, abandonados pelos seus donos nas marinas ou nas
poitas ou ancorados e abandonados. Até a pouco tempo atrás, era comum outros
navegadores filmarem veleiros abandonados nestes lugares e postar…Até que o
Covid-19 chegou e ai…Os veleiros usados foram rareando…rareando e os preços
subindo…subindo…Tem gente que aposta que subiram mais que as criptomoedas e
ainda há espaço para subir muito mais.

Num veleiro novo, os preços chegam a ser proibitivos, e somente os mais endinheirados
conseguem adquiri-los nos estaleiros, isso sem falar que antes da pandemia, devido à
baixa demanda, muitos bons estaleiros quebraram e os poucos que permaneceram
abertos, o fizeram para atender os endinheirados.

No mercado náutico internacional a história é outra…O cenário é bem diferente do nosso,
senão vejamos alguns dados curiosos:

O país com mais veleiros no mundo são os EUA e é bastante comum a classe média
possuir um barco e alguns inclusive um avião de pequeno porte. Isso sim é classe média.
A Europa como um todo, reune a segunda maior frota de barcos e empresas de charter
(locação de barcos) do mundo.

A China, quem diria, é o país que tem a menor frota de barcos do mundo (Exceto os
barcos pesqueiros, é claro!)

Para aqueles que querem iniciar nesta modalidade de lazer e não tem grana para
comprar um veleiro, nem que seja um de 23 pés, que já é cabinado (Meu sonho de
consumo é um de 34 pés), uma modalidade que cresce exponencialmente no nosso país
e é sucesso em todo o mundo, é a compra compartilhada de um barco. Você adquire
uma cota e tem o veleiro disponível alguns dias do mês para navegar ou ficar ancorado,
ou na marina e tem a vantagem de no pacote, toda a manutenção estar incluída no
preço, assim como os custos de seguro,etc.

Mas…Caso queira concorrer numa rifa para tentar na sorte e ganhar um veleiro, o Fábio
da Velejar é vida que tem um canal no Youtube, está sorteando um Brasilia 27S (Este
modelo é um dos mais apreciados da marca, que é considerada uma das melhores já
construídos em nosso pais. O icônico Brasília 32, projetado por Gilberto Saeger, foi o
primeiro veleiro oceânico brasileiro de fibra de vidro a ser construído em série nos anos
1970.

Segue o link da página do Fábio que ainda tem números disponíveis por R$ 52,00 cada
número.

http://cotasvelejarevida.com.br/produto?id=49#numeros

Segue também o vídeo do Brasilia 27S que está sendo reformado e será entregue
reformado ao ganhador.

Nota do autor: O autor não participa como sócio ou qualquer outro vínculo com o site
www.cotasvelejarevida.com.br, exceto como participante do sorteio e dá estas dicas para os leitores que
acreditam na sorte e quem sabe este veleiro seja sorteado para algum leitor desta coluna, que tenha
adquirido um número no site do Fábio.

Meu muito obrigado e até a próxima, se Deus quiser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *