E CURITIBA ABRIU E JÁ VAI FECHAR.

Não temos outra opção’, diz presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia sobre novas medidas contra a Covid-19 em Curitiba

Bandeira sinalizadora da capital passou de amarelo, que é nível 1, para laranja, de alerta médio, no sábado (13), e prefeitura anunciou medidas mais rígidas para comércio e empresas.

Por Nadja Mauad, Natalia Filippin e Letícia Paris, G1 PR e RPC Curitiba


Após relaxamento, prefeitura anunciou novas medidas de combate ao coronavírus em Curitiba — Foto: G1

Após relaxamento, prefeitura anunciou novas medidas de combate ao coronavírus em Curitiba — Foto: G1

O presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Clóvis Arns da Cunha, comentou a necessidade de medidas mais rígidas de combate ao novo coronavírus em Curitiba.

Segundo ele, a decisão de novas medidas para comércio e empresas reflete o agravamento do quadro da Covid-19 na cidade.

No sábado (13), a Secretaria Municipal de Saúde anunciou que a bandeira sinalizadora da situação passou de amarelo, que é o nível 1, para laranja, nível 2, de alerta médio, e publicou um novo decreto com mais restrições.

“Infelizmente, a sociedade vai ter que dar um passo para trás e não temos outra opção a não ser fazer agora o isolamento social mais amplo, como fizemos em abril e maio. Que possamos, em breve, voltar a abrir essa parte da economia”, disse.

Cunha destacou que o número de casos aumentou significativamente, principalmente em casos que precisam de internamento nos hospitais e até de internamento em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Segundo ele, o número de casos aumentou em três vezes, em 14 dias, em Curitiba, e o número de leitos hospitalares de UTI também registrou aumento expressivo de ocupação.

“A gente estava de 30% a 40% de ocupação e foi para 60% nas UTIs disponíveis. Realmente é preocupante”, relatou.

Presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Clóvis Arns da Cunha, comentou a necessidade de medidas mais rígidas de combate ao novo coronavírus em Curitiba — Foto: Reprodução

Presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Clóvis Arns da Cunha, comentou a necessidade de medidas mais rígidas de combate ao novo coronavírus em Curitiba — Foto: Reprodução

Ele afirmou também que, “se a sociedade fizer a parte dela”, em um período entre quatro e seis semanas, será possível voltar ao estágio de abertura vivido há cerca de duas semanas, com os riscos da pandemia controlados.

“Não tendo medicação eficaz e nem vacina, nós vamos ter que ficar abrindo e fechando o comércio provavelmente até o final do ano”, destacou Cunha.

O presidente da SBI afirmou que a colaboração da sociedade é fundamental no controle da situação na cidade de Curitiba e no estado do Paraná.

Ele disse que a desobediência sobre as orientações de prevenção, constatada em estabelecimentos, nas últimas semanas, agravou o quadro de risco diante da pandemia.

“Os jovens foram para a balada, foram para festas, com aglomeração de 200, 300 pessoas em ambientes que ficavam um ao lado do outro, sem nenhum tipo de cuidado”, afirmou.

O especialista disse que “não adianta as crianças e adolescentes sem aula, os idosos se cuidando, quando o jovem vai para a balada e não se cuida porque é ele que vai levar a infecção para o pai, para o avô”.

Conforme destacado por Cunha, antes da metade do mês de julho, são poucas as chances de voltar a ter a economia aberta como havia até esta semana.

“Parte da população não fez a sua parte, e nós lamentamos muito isso”, concluiu.

Clóvis da Cunha disse que é necessário que a população entenda que, para quem não teve um parente ou amigo que precisou de hospital ou de um leito de UTI, é preciso acreditar que a situação da Covid-19 pode ser ainda mais grave.

Como exemplo de situação extrema a que pode chegar o Paraná e Curitiba, ele citou os problemas enfrentados por São Paulo e Rio de Janeiro.

“Eu não consigo ver uma situação mais triste na vida do que um parente, um amigo, não poder ter um leito de UTI, sabendo que o leito vai fazer a diferença, vai salvar a vida dele com uma chance muito maior”, comentou.

O decreto

A secretária municipal de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, anunciou em uma live, na tarde de sábado (13), novas medidas de combate à pandemia do coronavírus. As medidas passam a valer a partir da 0h de segunda-feira (15).

capital tem 1.676 casos confirmados do coronavírus, segundo relatório divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) no sábado. Setenta e seis pessoas morreram pela doença na capital, segundo o boletim. De acordo com a prefeitura municipal, são 1.777 casos confirmados e 78 mortes.

Veja, abaixo, as medidas anunciadas pela secretária.

Devem fechar por tempo indeterminado

  • Academias e todas as atividades de práticas esportivas;
  • Igrejas e templos religiosos;
  • Praças e parques;
  • Todas as atividades de entretenimento como teatros, festas em geral e atividades semelhantes;
  • Bares e atividades semelhantes;
  • Clubes sociais esportivos;
  • Recomendação de suspensão
  • Treinos de futebol;
  • Cabeleireiros, manicure, pedicure e outros serviços de cuidados com a beleza;
  • Atividade de higiene de animais domésticos;
  • Serviços de alimentação de ambulantes;
  • Serviços imobiliários;
  • Feiras de artesanatos.

Restrições de horário

  • Comércio de rua: atendimento ao público tem de ocorrer entre 10h e 16;
  • Shopping center: devem funcionar apenas de segunda a sexta-feira, entre 12h e 20h, devendo permanecer fechados nos fins de semana. Os serviços de alimentação que funcionem nos shoppings poderão operar entre 12h e 15h. Fora desses horários, podem funcionar apenas com entrega (delivery);
  • Galerias e centros comerciais: devem funcionar das 10h às 16h, de segunda a sexta-feira. Os serviços de alimentação que funcionem nos shoppings poderão operar entre 12h e 15h. Fora desses horários, podem funcionar apenas com entrega (delivery);
  • Restaurantes e lanchonetes: devem funcionar das 11h às 15h, todos os dias da semana. Fora desse horário, podem funcionar apenas para entregas (delivery);
  • Escritórios em geral: devem funcionar seis horas por dia, exceto para atividades de home office (com horário definido pela própria empresa);
  • Lojas de material de construção: devem funcionar das 10h às 16h, de segunda a sexta, e das 9h às 13h aos fins de semana;
  • Serviços que devem funcionar com no máximo de 50% de sua capacidade
  • Hotéis e pousadas;
  • Callcenter e telemarketing (exceto os vinculados a serviços de saúde);
  • Drive-in (com uma sessão de exibição por dia ou 3 horas de operação).

De acordo com a secretária, as medidas decorrem da expansão da transmissão do novo coronavírus na cidade, bem como do aumento de atendimentos na rede de saúde e de casos da doença.

Márcia Huçulak destacou que até meados de maio a média diária de novos casos registrada na capital era de 14. Neste sábado, passou para 59, segundo ela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *