Governo continua trabalho para conter manchas de óleo

Investigação sobre vazamento de óleo segue concentrada em 30 navios de 11 países

Números atualizados divulgados nesta terça-feira (29) pelo Governo Federal mostram que 254 localidades foram atingidas pelas manchas de óleo que chegam até as praias do Nordeste desde o início de setembro. O dado foi apresentado durante coletiva de balanço da Operação “Amazônia Azul, Mar limpo é vida”, com ações de respostas e investigação sobre as manchas de óleo no litoral nordestino.

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, informou que 1.446 homens das Forças Armadas atuam na limpeza das praias. Segundo ele, diversos órgãos trabalham em colaboração na operação em três eixos: limpeza, monitoramento e apuração de responsabilidades.

O ministro destacou que se trata de um incidente inédito, que o governo agiu rápido e atualmente está com uma boa estrutura e aprimorando procedimentos. “Achei que o Brasil agiu rápido. Estamos aprimorando processos na Amazônia Azul”, disse.

O comandante de Operações Navais da Marinha, almirante de esquadra Leonardo Puntel, explicou que as investigações sobre a origem do vazamento de óleo permanecem com foco em 30 navios de 11 países. Esses países foram notificados para prestar esclarecimentos.

Para o almirante Puntel, a maior probabilidade é que o óleo tenha partido de uma única fonte poluidora. Ele não descartou a possibilidade de que o episódio tenha sido causado por embarcações não oficiais, denominadas “dark ships”. “Não é uma investigação fácil. É um local de área marítima de 500 quilômetros da costa do litoral nordestino, uma área retangular de cerca de 600 quilômetros e com isso muitos navios passaram por ali. Não é uma coisa fácil. É um oceano de possibilidades”, disse o almirante Puntel.

O comandante de Operações Navais da Marinha afirmou ainda que há a preocupação de que o óleo chegue ao arquipélago de Abrolhos, localizado no sul do litoral da Bahia. Segundo ele, há embarcações na região fazendo o monitoramento visual do óleo. “Hoje [29] em Abrolhos tem três navios na área fazendo essa busca visual na superfície. Amanhã [30] chegam mais dois navios para se juntar a esses três no patrulhamento da região”, relatou.

Ações do Governo Federal

Desde 2 de setembro, o governo brasileiro vem atuando para conter os danos causados pelo derramamento de óleo no litoral nordestino. O Grupo de Acompanhamento e Avaliação, composto pelo Ibama, Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e Marinha, vem realizando ações para a retirada do óleo encontrado nas praias sob coordenação operacional da Marinha. 

Já foi recolhida mais de uma tonelada de resíduos em uma faixa de 2,5 mil quilômetros da costa brasileira. Além disso, 48 organizações militares, 10 navios, 7 aviões e 6 helicópteros atuam diariamente em ações como monitoramento, limpeza e análises das manchas.

Foto: Divulgação Marinha do Brasil

Fonte: Governo do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *