MÁQUINAS OFENSIVAS, BAYERN E PSG LUTAM POR GLÓRIA NA LIGA DOS CAMPEÕES

Poucas coisas são tão prováveis na imprevisível decisão da Liga dos Campeões da Europa, entre Bayern de Munique e Paris Saint-Germain, quanto gols. Sim, muitos gols. Afinal, não será justamente no espetáculo principal do maior torneio de clubes do mundo que dois dos três melhores ataques da temporada no Velho Continente passarão em branco, não é?

Quando a bola rolar no Estádio da Luz, em Lisboa (Portugal), a partir das 16h (de Brasília) deste domingo (23), de um lado estará um Bayern que balançou as redes 158 vezes em 51 partidas. A média de 3,1 gols por jogo leva em conta Campeonato Alemão, Copa da Alemanha e a própria Champions, onde a estatística é ainda mais impressionante: 42 gols em 10 jogos. Uma média de 4,2 tentos por rodada.

A equipe de Munique foi mais letal no mata-mata que na fase de grupos da Liga. Na primeira fase, foram 24 gols em seis partidas (quatro por jogo, na média). Já nas quatro vezes em que atuou entre as oitavas de final e a semifinal, o Bayern atingiu uma média de 4,5 gols por duelo, com mais 18 tentos. Oito deles só no histórico 8 a 2 aplicado no Barcelona, da Espanha, pelas quartas de final.

Não à toa, o Bayern é também o time que mais arremata na Liga dos Campeões (230, média de 23 vezes por jogo). A média de chutes em direção ao gol também é elevada, beirando os 10 por partida. A máquina alemã é liderada por Robert Lewandowski, que não só é o artilheiro da competição, com 15 gols, como divide o posto de maior assistente com Ángel Di Maria, do PSG. Ambos somam seis passes para gol.

Só que o polonês não joga sozinho. Companheiro de ataque de Lewa, Serge Gnabry balançou as redes nove vezes e figura em terceiro na tabela de goleadores, atrás do polonês e do centroavante norueguês Erling Haaland, do rival Borussia Dortmund. Prova do poder decisivo do atacante alemão é que cinco desse gols saíram no mata-mata, sendo dois na vitória por 3 a 0 sobre o Lyon, da França, na quarta-feira passada (19), que classificou o Bayern à final.

Para combater a armada bávara, o Paris Saint-Germain tem, por um lado, a melhor defesa da Champions, tendo sofrido só cinco gols em 10 partidas. Por outro, também conta com um ataque poderoso, que foi às redes 136 vezes nos 48 duelos que fez no ano (2,83 gols por partida, na média). Na Liga dos Campeões, foram 25 tentos. É o segundo time com mais gols, além de o terceiro com a melhor média.

O detalhe é que o PSG é apenas a sétima equipe que mais finalizou na competição: 123. Os franceses superam, por um só chute, o Atlético de Madrid, da Espanha, time com perfil mais defensivo e que fez uma partida a menos. Ao mesmo tempo, os parisienses são mais precisos que o próprio Bayern na Liga dos Campeões, com 47,5% dos arremates em direção ao gol, contra 43% dos alemães.

Artilheiro do Paris na temporada, com 30 gols em 36 jogos, Kylian Mbappé é também o jogador que mais produz bolas na rede pela equipe na Champions. Ele tem os mesmos cinco gols do também atacante Mauro Icardi, mas ainda deu cinco assistências. Há um mês, o jovem sofreu uma lesão no tornozelo na final da Copa da França, contra o Saint-Etienne, e teve que começar no banco o duelo contra a Atalanta, da Itália, pelas quartas de final. A entrada dele na etapa final, quando o PSG perdia por 1 a 0, foi fundamental para a virada para 2 a 1.

Porém, não se pode esquecer de Neymar. O brasileiro perdeu boa parte da primeira fase, primeiro por causa de uma punição disciplinar e, depois, por uma lesão na coxa. Nas seis vezes em que atuou na atual Liga dos Campeões, porém, o astro teve participação marcante, com três gols e quatro assistências. Significa dizer que ele levou o PSG a marcar pelo menos um gol por partida nesta Champions, da mesma forma que fizeram Mbappé e Di Maria.

Currículo distinto

A missão do PSG pode ser inglória, mas concluí-la seria fazer muita história. É a primeira vez que o time da capital francesa chega à final da Champions, em 50 anos recém-celebrados. Alcançar a semifinal, contra o RB Leipzig (Alemanha), já tinha sido repetir o maior feito anterior na competição, de 1995, quando a equipe dos brasileiros Ricardo Gomes, Raí e Valdo caiu para o Milan (Itália). Se levar a taça orelhuda para casa, o Paris será somente o segundo clube da França a conquistar a Europa, repetindo o Olympique de Marselha de 1992.

Os parisienses passaram a sonhar com a Liga dos Campeões a partir de 2011, quando a equipe foi comprada pela Qatar Sports Investments (QSI), fundo de investimentos ligado ao governo da nação asiática, que passou a despejar dinheiro e trazer reforços de peso ao clube. Os 10 jogadores mais caros da história do PSG chegaram durante o período, com Neymar encabeçando a lista, tendo custado R$ 824 milhões (pela cotação da época).

Apesar de assumir o domínio do futebol francês com sete títulos nacionais, cinco Copas da França e seis Copas da Liga desde 2011, o PSG se acostumou a sucumbir em solo europeu. Foram quatro eliminações seguidas nas quartas de final e mais três nas oitavas, sendo a mais traumática em 2017, quando venceu o Barcelona por 4 a 0 em casa e foi goleado por 6 a 1 na Espanha, no jogo de volta, sofrendo três gols nos oito minutos finais da partida.

O Bayern, por sua vez, é veterano de finais de Champions: esta é a 11ª da história do clube. Só o Real Madrid (Espanha), com 16 finais, esteve mais vezes em uma decisão. Os bávaros perseguem o sexto título, que tornaria a equipe a terceira maior campeã do torneio, junto do Liverpool (Inglaterra). A última conquista foi em 2013, com nomes que ainda fazem parte do grupo, como o goleiro Manuel Neuer, os zagueiros Jérôme Boateng e David Alaba e o meia-atacante Thomas Müller.

De lá para cá, assim como o PSG, o Bayern foi amplamente dominante na Alemanha, com a diferença que é assim desde a década de 1960. Os bávaros têm 30 títulos nacionais. Para se ter ideia, o Nuremberg, segundo com mais taças, tem nove. Em 2020, o time de Munique levantou a Salva de Prata, que é o troféu do campeonato local, pela oitava vez seguida.

Brasil na decisão

Os holofotes estão em Neymar, que, em caso de conquista francesa, credencia-se ao posto de melhor jogador do mundo pela Fifa. Mas não é só o camisa 10 que representa o Brasil pelos lados do PSG. Os zagueiros Marquinhos e Thiago Silva podem ser campeões europeus pela primeira vez nas respectivas carreiras. Além disso, o diretor de futebol é Leonardo, ex-meia e ídolo do clube, que assumiu o cargo em junho do ano passado.

Marquinhos, que balançou as redes duas vezes, nas partidas contra Atalanta e RB Leipzig, e que tem atuado como volante, pode entrar para o seleto grupo (do qual Neymar já faz parte) de jogadores que venceram a Champions e a Libertadores. Em 2012, ele integrou o elenco do Corinthians que foi campeão sul-americano invicto. Já Thiago Silva está de saída do Paris, após oito temporadas, sendo um dos 10 atletas que mais vezes defenderam o time francês (313) e o que ostentou a braçadeira de capitão em mais partidas (228).

Pelo lado alemão, a decisão em Lisboa marca a despedida de Phillipe Coutinho do Bayern, para onde foi emprestado pelo Barcelona. Um eventual título no domingo seria inédito para o meia, que deixou o time titular após a primeira fase. Mesmo assim, no mata-mata, ele marcou dois gols e deu uma assistência. Por ironia, ambos contra o Barça, que quer negociá-lo na próxima temporada.

Já Thiago Alcântara, vencedor da Liga dos Campeões em 2011, quando atuava pelo Barcelona, foi para Munique em 2013, mas não chegou a integrar o elenco campeão da Champions pelos bávaros. Filho do ex-volante tetracampeão mundial Mazinho, nascido na Itália e atleta da seleção da Espanha, ele vem sendo titular, mas com o lateral Benjamin Pavard recuperado de lesão deve brigar por vaga no time com o volante Leon Goretzka, já que Joshua Kimmich (que estava improvisado na ala) deve recuperar o lugar no meio.

Veja a tabela atualizada da Liga dos Campeões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *