MÉDICO DE GUARULHOS FOI PRESO EM SOROCABA

O médico e empresário do ramo de ambulâncias e vale refeição em Guarulhos Fábio Deambrosio Guasti, que era procurado por estar envolvido em uma denúncia de desvio de verbas de respiradores usados em pacientes com Covid-19 em Santa Catarina, foi preso em Sorocaba (SP) na manhã deste domingo (7).

De acordo com a Polícia Militar, equipes receberam a informação de que ele estaria parado em um posto de combustíveis na Avenida Doutor Armando Pannunzio, no Jardim Vera Cruz.

Segundo a Polícia Civil de Sorocaba, o empresário já tinha um mandado de prisão preventiva decretada por Santa Catarina, onde a operação é realizada.

A equipe da Polícia Civil de Santa Catarina entrou em contato com Sorocaba e avisou que um dos carros do médico apareceu em câmeras instaladas nas ruas da cidade na manhã deste sábado (6).

Com isso, segundo a polícia, a equipe de Santa Catarina veio para Sorocaba e teve apoio da seccional da cidade. As equipes fizeram buscas, mas não encontraram o médico.

Ainda segundo a policia, a placa do carro foi informada à PM, que monitorou a situação e localizou o carro em imagens das câmeras neste domingo.

O homem foi abordado e encaminhado ao Plantão Norte e encaminhado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Sorocaba.

Fábio é médico e empresário em Guarulhos no ramo de ambulâncias e vale refeição e foi diretor da Associação Comercial e Empresarial de Guarulhos até recentemente, onde possui contratos com a Prefeitura e Proguaru e foi denunciado por desvios de recursos na aquisição de respiradores utilizados para o tratamento de Covid-19 em Santa Catarina SC.

Uma CPI investiga a aquisição de 200 respiradores pelo estado de Santa Catarina a R$ 33 milhões pagos antecipadamente em março.

Até esta quinta-feira (4), apenas 50 dos equipamentos tinham chegado ao estado, com atraso, e estão sendo analisados pela Secretaria de Estado da Saúde para verificar se o modelo enviado pode ser usado no tratamento contra a Covid-19.

Uma força-tarefa formada por vários órgãos, incluindo Ministério Público de Santa Catarina e Polícia Civil, também investiga a compra. No início de maio, o Governo de Santa Catarina assumiu que teve “fragilidades” no processo de aquisição.

Uma análise da Ordem dos Advogados do Brasil em Santa Catarina (OAB/SC) em parceria com o Observatório Social do Brasil em Santa Catarina concluiu que houve irregularidades na compra.

A defesa do empresário ainda não se manifestou sobre a prisão do médico e empresário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *