NÚMERO DE MORTES POR CORONAVÍRUS NO MUNDO CHEGAM A 300 MIL PESSOAS

A Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, já atingiu a marca de 300 mil mortes no mundo até esta quinta-feira (14), de acordo com o balanço da universidade americana Johns Hopkins. 

Até às 14h50, foram registradas 300.074 mortes desde a primeira confirmação de coronavírus em dezembro, na China. Além disso, em todo mundo já são mais de 4,3 milhões de casos confirmados de Covid-19.

O aumento em 100 mil mortes acontece apenas duas semanas depois do mundo registrar mais de 200 mil vítimas. Esse número de diagnósticos, contudo, reflete apenas uma fração do número real de contaminações, já que muitos países realizam testes apenas em pessoas hospitalizadas.

Sem vacina ou remédio, o vírus que surgiu no fim de 2.019 na cidade de Wuhan, na região central da China, já infectou mais de 4,4 milhões de pessoas.

Lideram a lista com o maior número de mortes provocadas pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2): Estados Unidos, Reino Unido, Itália, Espanha, França e Brasil.

Nesta quarta-feira (13), o Brasil ultrapassou a França em número de infectados pelo novo coronavírus e se tornou o 6º país do mundo com mais casos da doença. 

Os países com mais casos são:

1 – Estados Unidos: 1,4 milhão de infectados e 84,9 mil mortes;

2 – Rússia: 252 mil infectados e 2,3 mil mortes;

3 – Reino Unido: 234 mil infectados e 33,6 mil mortes;

4 – Espanha: 229,5 mil infectados e 27,3 mil mortes;

5 – Itália: 223 mil infectados e 31 mil mortes;

6 – Brasil: 196 mil infectados e 13,5 mil mortes;

7 – França: 178 mil infectados e 27 mil mortes;

8 – Alemanha: 174 mil infectados e 7,8 mil mortes;

9 – Turquia: 144,7 mil infectados e 4 mil mortes;

10 – Irã: 114,5 mil infectados e 6,8 mil mortes.

O balanço oficial fornecido pelos governos, que é utilizado pela universidade para montar esse ranking, no entanto, não reflete o real número de infectados pelo novo vírus, que surgiu no fim de 2.019 na China. Como não há testagem em massa na maior parte dos países, como acontece na Alemanha e na Coreia do Sul, não há como saber exatamente quantas pessoas foram atingidas.

O Brasil realizou pouco mais de 482 mil exames, dos quais mais de 145 mil aguardam resultado. Como esse número de testes é relativamente baixo e a prioridade é para os pacientes graves, aqueles que precisam ser hospitalizados, o número de subnotificações é elevado.

Cientistas brasileiros estimam que o número real de casos de coronavírus no país já estava em 1,6 milhão na semana passada. Para indicar as subnotificações, cientistas analisaram os dados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e registros dos órgãos regionais. 

O crescimento de quase 10 vezes o número de internações e de 1.035% de mortes por síndromes respiratórias são evidências da subnotificação de mortes e casos graves de Covid-19 no país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *