POLÍCIA FEDERAL DEFLAGRA OPERAÇÃO PLACEBO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Na manhã desta terça-feira (26) a Polícia Federal realiza a Operação Placebo, no Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador Wilson Witzel  (PSC-RJ). Quinze equipes da Polícia Federal participam da ação. A finalidade é a apuração dos indícios de desvios de recursos públicos destinados ao atendimento do estado de emergência de saúde pública, de importância internacional decorrente do coronavírus no Estado do Rio de Janeiro. Doze mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos, sendo dez na capital fluminense e dois na cidade de São Paulo.

Os mandados foram expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), Witzel acompanhou as buscas o tempo todo na residência oficial. 

Investigações iniciadas no Rio pelo Polícia Civil, pelo Ministério Público Estadual e pelo Ministério Público Federal apontam para a existência de um esquema de corrupção envolvendo uma organização social contratada para a instalação de hospitais de campanha e servidores da cúpula da gestão do sistema de saúde do estado. 

A equipe da Polícia Federal veio de Brasília (DF) e chegou ao Aeroporto Internacional do Rio pouco depois das 5h30. Quatro viaturas descaracterizadas da PF estão na entrada do Palácio das Laranjeiras. Há agentes também no Palácio Guanabara, sede do governo do estado; na casa da Rua Professor Valadares, no Grajaú, na Zona Norte do Rio, onde morava o governador antes de assumir o mandato; e no apartamento na Avenida Ataulfo de Paiva, na Zona Sul do Rio, residência do ex-subsecretário de Saúde Gabriell Neves, preso em uma operação em 07 de maio.

Os investigadores também estão no escritório de advocacia da primeira-dama Helena Witzel, no Leblon. Outra equipe está em frente à casa do ex-secretário de Saúde, Edmar Santos, na Rua Dezenove de Fevereiro, em Botafogo, também na Zona Sul.

Outra equipe da PF também está se deslocando até a sede do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas), na área Central do Rio. O objetivo é apreender documentos ligados à contratação dos sete Hospitais de Campanha no estado. 

A Operação Placebo apura suspeitas de desvios ligados ao Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde para a construção de Hospitais de Campanha para enfrentamento do Covid-19. Segundo as investigações, foi identificado um esquema de corrupção envolvendo uma organização social contratada para a instalação de Hospitais de Campanha e servidores da cúpula da gestão do sistema de saúde do Estado do Rio de Janeiro.

No dia 14 de maio, foi desencadeada a Operação Favorito pela Polícia Federal, que apreendeu cerca de R$ 2 milhões com os envolvidos num esquema de fraudes em contratos de prestação de serviço para Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) celebrado entre o estado e Organizações Sociais (OSs) de saúde. Só com o empresário Luiz Roberto Martins, presidente do Conselho de Administração do Instituto Data Rio (IDR), foi encontrado R$ 1,5 milhão em espécie.

O dinheiro estava escondido na casa dele, em Valença, Região Sul do estado. Em entrevista coletiva, realizada na tarde de quinta-feira (21), o Ministério Público do Rio (MPRJ) apontou Martins como o chefe da organização criminosa acusada de desvio de dinheiro público.     

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *