PROJETO INCETIVA JOVENS DA PERIFERIA A DEBATER DESAFIOS DA PANDEMIA

Como a juventude da periferia está enfrentando a pandemia de covid-19 e quais preocupações esses jovens têm com relação ao novo coronavírus e sua inserção na cidade? Para entender essa dinâmica, o projeto Geração que Move reúne jovens do Grajaú, no Rio de Janeiro, e do Jardim Ângela, em São Paulo, para que eles compartilhem anseios, preocupações, inspirações e motivações dentro do atual cenário.

A meta é debater questões como as condições de acesso a serviços básicos, a busca por alternativas em momentos adversos, impactos e discriminações em relação ao direito à cidade. Inicialmente, dez jovens de São Paulo e 20 do Rio de Janeiro participam da iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Fundação Abertis, em encontros online.

O objetivo é mobilizar pelo menos 140 adolescentes, 70 em cada cidade. São parceiros do projeto a Agência de Redes para Juventude no Rio e a organização não governamental (ONG) Viração em São Paulo. 

Os jovens atuarão como produtores de conteúdo em suas comunidades, para retratar as realidades e mobilizar mais adolescentes, quando o projeto passar para a fase presencial, após o fim do isolamento social.

Mobilidade

A coordenadora da Região Sudeste no Unicef Brasil, Luciana Phebo, explica que o projeto traz o protagonismo das ações para os próprios jovens, que irão diagnosticar a situação e propor soluções para que melhor possam exercer seu direito à cidade, em meio a uma pandemia que reduz as possibilidades de mobilidade.

“Promover a discussão sobre o direito à cidade e às políticas públicas entre os jovens e adolescentes tendo soluções indicadas por eles é de extrema importância para enfrentarmos as desigualdades existentes dentro das cidades, especialmente com o impacto crítico da pandemia em sua vida”, disse.

Dinâmica

Neste primeiro momento, os participantes estão participando de capacitações online e oficinas de produção de conteúdo audiovisual, discutindo linguagens e formatos para mídias digitais. 

O próximo passo será fazer o diagnóstico sobre as condições de acesso que eles têm em suas comunidades em relação a serviços como educação, saúde, proteção, cultura, esporte e lazer.

Após o fim do isolamento social, os jovens farão jornadas pela cidade para registrar o passo a passo de como acessar esses espaços de desenvolvimento e quais são os desafios encontrados no percurso. Depois, eles participarão de oficinas de criação para propor soluções para os problemas encontrados e garantir a mobilidade segura e o acesso igualitário dos adolescentes aos serviços.

A próxima etapa contempla intervenções urbanas para enfrentar as barreiras no acesso e, por fim, o projeto irá proporcionar o diálogo dos jovens com 200 gestores públicos, no qual os adolescentes poderão propor o aperfeiçoamento de políticas públicas e serviços para promover mais igualdade para crianças e adolescentes nas duas cidades.

Segundo o Unicef, as condições pelas quais o jovem passa a fase da adolescência contribuem ou prejudicam seu desenvolvimento e sua relação com a comunidade e com o mundo.

Portanto, segundo o fundo, garantir condições mais igualitárias de acesso aos serviços essenciais é fundamental para atingir o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 11, da Organização das Nações Unidas (ONU), que pretende “tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis”.

FOTO: ANTON VAGANOV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *